Trash the Dress

Trash the Dress, o que é?

Casamento é sempre um acontecimento mágico. Por mais que a rotina seja quase sempre a mesma, cada cerimônia, cada festa, cada detalhe é sempre diferente. Uma das poucas coisas que quase nunca mudam, e que melhor representam um casamento, é a presença de uma noiva em um vestido branco.

Por muito tempo manteve-se a tradição de preservar os vestidos por gerações, mantendo-o quase como um troféu numa caixa no fundo do armário. Mas algumas noivas estão adotando uma abordagem um pouco diferente, e um tanto mais radical. Elas estão vestindo seu vestido de noiva mais uma vez de uma maneira muito menos cuidadosa para uma sessão de fotos mais dramática, descontraída e ousada, que ficou popularmente conhecida como Trash the Dress.

O que, exatamente, é um Trash the Dress?

O Trash the Dress é uma maneira libertadora e despreocupada de aliviar o estresse que vem junto com o planejamento de um casamento, permitindo que a noiva e o noivo usem suas roupas de casamento novamente, mas em um lugar diferente e com muito mais tempo para explorar.

O ensaio é uma forma de capturar a essência do casal de uma forma mais informal e menos tradicional, a fim de complementar os momentos únicos vividos no dia mais especial da vida dos noivos. A forma mais simples de traduzir o Trash the Dress é fazer com que você pense em alguma coisa que seja uma forte representação da sua personalidade, depois basta adicionar os trajes de casamento e as memórias incríveis que ficam após a experiência e aproveitar as fotos espetaculares e únicas que você terá.

Vale ressaltar que qualquer um pode fazer um Trash. Tem gente que nem fez a festa de casamento mas mesmo assim quer fazer umas fotos com aspecto cinematográfico, algo diferente. Dessa forma é possível alugar um vestido e fazer as fotos onde quiser (vale lembrar que com o vestido alugado é sempre melhor escolher um ensaio que não prejudique o vestido 😉).

É claro que é muito mais fácil planejar para noivos recém casados, pois a noiva já terá o vestido, estarão embalados pela festa e provavelmente já terão planejado a lua de mel, que pode ser aproveitada como um dos roteiros do Trash the Dress, já que a lua de mel é sempre pensada com muito carinho e, certamente, será um local especial para os noivos. Por que não, então, não planejar o Trash junto com a lua de mel?

Mas eu vou estragar o meu vestido de casamento?

Não necessariamente. Nem todos os casais decidem literalmente “arruinar o vestido” com lama ou água, é possível optar por um ensaio mais light, o que permite reverter os “estragos” feitos ao vestido facilmente com uma ida à lavanderia. Apesar do nome, muitas noivas e fotógrafos escolhem locais e estilos que mantêm o vestido intacto e com ótima aparência.

Seja com uma abordagem mais sutil, com um passeio pela mata (ou pelas geleiras) ou um mergulho em uma piscina ou lago ou causando estrondo, usando tinta, lama ou águas turvas, o que importa é relaxar, se divertir e carregar o ensaio da personalidade dos noivos. Dessa forma a noiva dá uma nova vida ao vestido ao invés de deixá-lo sem utilidade no fundo do armário.

Trash the Dress dos noivos Fernanda e Claudinei nas geleiras de El Calafate.

De onde surgiu o Trash the Dress?

A grande maioria das fontes apontam que a tendência foi originalmente iniciada em 2001 pelo fotógrafo de casamentos de Las Vegas, John Michael Cooper. Depois de ficar entediado com sessões de fotos de casamento mais tradicionais, Cooper começou a pedir que as noivas posassem após o dia do casamento em ambientes incomuns, gerando oportunidade de fotos incríveis para os noivos e os fotógrafos.

No entanto, a ideia de destruir um vestido de noiva tem sido simbolicamente usada por Hollywood desde pelo menos outubro de 1998, quando Meg Cummings (interpretada por Susan Ward), do seriado Sunset Beach, correu para o mar em seu vestido de noiva depois de ter o casamento interrompido.

Como fazer?

A principal dica para quem já decidiu fazer o Trash the Dress mas ainda está na dúvida sobre o que fazer é escolher um local com um significado especial para o casal. Vale lembrar que, por mais diferente que este tipo de ensaio possa parecer, ele continua sendo uma forma de refletir a imagem, a personalidade do casal. Dessa forma, seja light ou realmente trash, o que importa é que os noivos se sintam bem no ambiente e que a situação de fato reflita os valores do casal.

Vale repetir que a lua de mel pode facilmente virar um rápido passeio para as fotos do Trash. A equipe entra em cena, faz as fotos, vai embora e o casal continua lá curtindo. Caso contrário continua valendo a dica acima, talvez optando por um lugar que sempre tenham tido vontade de ir ou que já tenham ido e achado bacana. E, claro, que vá render altas fotos dignas capazes de despertar vários “UAU!”. 📸😍

Trash the Dress dos noivos Julia e Lorran, que foi feito na travessia Atacama x Salar de Uyuni.

Realizamos mais um projeto de vida sensacional! E mais um vez o Giovani pegou um pouco da nossa alma, juntou com a dele e a da sua equipe sensacional, e transformou a parada em Top dos Tops. – Julia Feital

De qualquer forma, se faltar inspiração, nunca é demais recorrer à internet. Seja no Google, nas redes sociais ou no portfólio dos seus fotógrafos preferidos, não faltarão referências para que você possa decidir o que fazer. Se já tiver escolhido o seu fotógrafo, converse com ele, ninguém melhor para te ajudar a montar o cenário ideal. As possibilidades são infinitas, mas repito, o mais importante é escolher um local que mostre a personalidade do casal. Dessa forma, vocês irão se divertir fazendo demais e as fotos vão falar por si.

Giovani Garcia

Giovani Garcia já se aventurou com a fotografia e seus clientes por diversos países. Com mais de 15 anos de mercado, faz parte do consagrado grupo de fotógrafos brasileiros a participar da lista internacional de melhores profissionais de casamento da associação Best of Wedding Photograph entre outros como WPS, WPJA, Fearless.